1. "Acho que o cérebro do homem é originalmente como um pequeno sotão vazio, que temos de abastecer com a mobília que escolhemos. Um tolo pega todo e qualquer traste velho que encontra pelo caminho, de modo que o conhecimento que poderia lhe ser útil fica de fora por falta de espaço ou, na melhor das hipóteses, acaba misturado com uma porção de outras coisas, o que dificulta o seu possível emprego. Mas o trabalhador de talento é muito cuidadoso a respeito do que coloca no seu sotão-cerébro. Só acolhe as ferramentas que podem ajudá-lo a realizar o seu trabalho, mas dessas ferramentas ele tem uma enorme coleção, e tudo disposto na mais perfeita ordem. É um erro pensar que o pequeno quarto tem paredes elásticas e pode distender em qualquer dimensão. Acredite , chega uma época em que para cada novo conhecimento é preciso esquecer alguma coisa que se conhecia antes. É da maior importância, portanto, não ter fatos inúteis empurrando para fora os úteis."
    — Sherlock Holmes em: Um Estudo em Vermelho - Sir Arthur Conan Doyle
     

  2. "Oh, céus, não faz a menor diferença. Se o homem for preso, será por causa de seus esforços; se ele escapar, será a despeito de seus esforços. É cara, eu ganho, e coroa, você perde. Não importa o que façam, sempre terão seguidores. Um imbecil sempre encontra outro ainda mais imbecil que o admira."
    — Sherlock Holmes em: Um Estudo em Vermelho - Sir Arthur Conan Doyle
     
  3. O Apanhador no Campo de Centeio - J. D. Salinger

    Resenha do livro “O Apanhador no Campo de Centeio” do escritor J. D. Salinger.

    O Apanhador no Campo de Centeio foi o único romance publicado por JD Salinger. Ele tem outros livros, mas todos são coletâneas de contos que foram publicados em revistas. Salinger escreveu O Apanhador e outros tantos contos e depois parou de escrever subitamente. Se aposentou da literatura e viveu recluso o resto de sua vida. Morreu em 2010 aos 91 anos. O livro já vendeu mais de 60 milhões de cópias no mundo e foi alvo de diversas controvérsias. A pessoa que assassinou o John Lennon, quando foi presa, estava com um exemplar do Apanhador.

    Mas deixando isso de lado, eu tenho uma reclamação a fazer. Nunca li o original em inglês, então posso estar falando alguma besteira, mas eu acho que o livro repete muitas palavras. Sei que a estória é contada por um adolescente, mas é um pouco irritante as vezes o número de palavras repetidas, muitas vezes em uma mesma página.

    Como já disse, o livro é narrado em primeira pessoa por Holden Caulfield. Tudo começa no final do ano letivo em sua escola, ele perdeu quase todas as matérias. O resto do livro mostra ele voltando para casa sem avisar aos pais, pensando em sua irmãzinha Phoebe e em como tudo que ele vê na sociedade não presta. Ele frequenta bares, hotéis, relembra verões passados quando era mais feliz. E fala muitas vezes sobre seu irmão mais velho, que é roteirista em Hollywood. Holdem odeia Hollywood, mas ama o irmão. Também amava o outro irmão, que morreu. Isso marcou muito sua vida.

    Eu até que percebi durante a leitura, mas não achei tão importante na hora, só que lendo outras resenhas, realmente, o Holdem mostra alguns traços de que foi abusado sexualmente quando era mais novo. Tentem identifica-los, são parte importante do livro.

    Bom, o livro tem uma linguagem fácil e todo jovem que se sentiu um pouco excluído vai identificar-se com ele. Recomendo.

    O link sumiu do nada, mas aqui está o vídeo que eu falo: http://www.youtube.com/watch?v=ivJrxaSYmwI

     
     
  4.  
  5.  

  6. "Em certos monastérios zen, é uma regra básica, se não a única disciplina rigidamente aplicada, que, quando um monge diz “Olá!” a outro monge, esté último deve responder “Olá!” sem a menor hesitação."
    — Página 43, Carpinteiros, Levantem Bem Alto a Cumeeira & Seymour, uma introdução - J. D. Salinger
     

  7. "Lucille jamais me compreenderia; gosto de muitas coisas ao mesmo tempo e me confundo inteiro e fico todo enrolado correndo de uma estrela cadente para outra até desistir. Assim é a noite, e é isso o que ela faz com você, eu não tinha nada a oferecer a ninguém, a não ser minha própria confusão."
    — On The Road - Jack Kerouac
     

  8. "Não é verdade que você começa a vida como uma criacinha crédula sob a proteção paterna? E então chega o dia da indiferença, em que o cara descobre que é um desgraçado, um miserável, fraco, cego e nu, e com a aparência de um fantasma fatigado e fatídico avança trêmulo por uma vida de pesadelo."
    — On The Road - Jack Kerouac
     

  9. "Em outra ocasião, Billy ouviu Rosewater dizer a um psiquiatra: “Acho que vocês terão de inventar um monte de novas mentiras maravilhosas, ou as pessoas simplesmente não irão mais querer continuar viviendo”."
    — Matadouro 5 - Kurt Vonnegut
     

  10. "These books ain’t window dressing. I think Machiavelli’s the most sophisticated writer outside of Shakespeare. Way ahead of his time. Such a manipulative person. Everything he accomplished he did by kissin’ ass."